segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Uma dor de cabeça chamada PSD

A sigla do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (foto), corre para obter o registro, pois precisa ter tudo formalizado até o dia 7 de outubro para que possa inscrever candidatos nas eleições municipais do ano que vem. Para concorrer, um político tem que estar filiado à sigla há pelo menos um ano.

Os dirigentes do PSD já pediram o registro da sigla ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que ainda não julgou se aceita a criação da nova legenda. A Folha de São Paulo publicou um infográfico com algumas denúncias que o Ministério Público Federal apura e citou os estados de Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Tocantins e Goiás.

Santa Catarina:

A Polícia Federal investiga se eleitores mortos assinaram a lista de fundação da legenda.

Rio Grande do Norte:

A denúncia é de que as cerimônias de criação de diretórios regionais foram descritas da mesma forma em pelo menos onze atas de diferentes cidades.

Rio de Janeiro:

Perícia revelou que assinaturas foram fraudadas.

São Paulo:

Laudo feito a pedido da Folha mostrou que uma pessoa assinou várias vezes à lista de apoiamento a criação do partido e eleitores com nomes citados em fichas dizem não terem assinado nenhum documento.

Paraná:

Foram encontradas cinco assinaturas de eleitores analfabetos.

Tocantins:

Uma funcionária da senadora Kátia Abreu é acusada de coletar assinaturas de eleitores de Jaú do Tocantis para a criação do partido em troca de dinheiro para medicamentos e cestas básicas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário